quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Arrumar a casa chamada Mossoró não é fácil

Arrumar a casa. Parece tarefa fácil, mas é bem complicado. Ainda mais quando esta casa tem quase 300 mil moradores. Aí a coisa fica bem mais difícil. Mossoró passou por altos e baixos nos dias recentes e passados. Bem verdade que não foram todos ruins, mas a maioria, sim, E isso é o que se destaca. A começar por quem depende de serviços públicos e essenciais à garantia de vida na sociedade, como saúde. São águas passadas? Certamente que sim, mas as consequências vão se manter por algum tempo.

Não se arruma uma casa do porte de Mossoró do dia para a noite ou da noite para o dia, como queiram. E o blog aqui não faz nenhuma apologia à capacidade da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). De modo algum. Apenas ressaltando que não se pode esperar milagres de imediato. Os problemas que existiam até 31 de dezembro vão continuar até que se tenha condições reais de saná-los totalmente. E a própria prefeita já disse que não vai resolver tudo de uma vez.

Até porque o mês começou agora, igualmente a nova administração. São tantos defeitos, problemas e queixas que as pessoas querem tudo de imediato. E com razão. Os impostos que se paga são altos para não se ter retorno. Mossoró ficou quase quatro anos fechada em uma redoma inexistente na vida real e centrada em um imaginário incomum. Coisas que não se sabe explicar.

A situação só vai se normalizar quando a nova gestão tiver condições de trabalhar. Medidas austeras já foram anunciadas. É preciso, neste momento, compreender as razões pelas quais não se pode agir agora. O blog entende que tudo tem seu tempo e, no caso administrativo, as coisas se complicam em virtude da abertura do orçamento, que deve acontecer em meados de fevereiro. Até lá, somente ações básicas ocorrerão.

Nenhum comentário: