terça-feira, 16 de agosto de 2016

Milagre da multiplicação?

Vamos pensar: o prefeito Silveira Júnior perdeu as estribeiras e partiu para o ataque contra o JORNAL DE FATO, chamando o diário mossoroense de "jornaleco de merda" pelo fato de publicação de material jornalístico focalizando o avanço patrimonial dele em 557%. Isso com relação ao espaço compreendido entre duas eleições distintas: de 2014 e a deste ano. Em 2014, conforme informação prestada por Silveira à Justiça Eleitoral, ele tinha R$ 194.043,00 em bens patrimoniais.

imagens extraídas do blog do Magnos Alves

Agora, com o registro de candidatura solicitado à Justiça Eleitoral, Silveira informou ser dono de patrimônio estimado em R$ 1.080.816,43. Algo, matematicamente falando, fabuloso para quem não teria nenhuma despesa. Mesmo assim, e levando-se em consideração que Silveira está na função pública de prefeito há 27 meses, e levando-se em consideração que o salário dele, enquanto gestor, é de R$ 22 mil, teríamos aí algo a questionar.

Multiplicando-se 27 meses pelo valor do salário dele, chegaríamos ao total de R$$ 594 mil. Somando-se ao valor patrimonial que ele declarou ser dono em 2014, se teria o montante de R$ 788 mil. Mas é preciso levar em consideração que ninguém, em sã consciência, crê que quem trabalha em função com dedicação exclusiva, não tenha nenhum gasto. Assim sendo, não se concebe a teoria exposta pelo prefeito, que gravou vídeo e publicou nas redes sociais para explicar que tinha 16 anos de vereador, que seu salário como parlamentar seria bom e que também teria outros ganhos, inclusive de produção de eventos.

Disse ainda que o patrimônio dele está devidamente informado à Receita Federal. Que foi dono do Xerifes, de uma agência de publicidade e que trabalha desde os 13 anos de idade... Sim, tudo bem... Mas nada disso consta da declaração que ele informou à Justiça Eleitoral. Ninguém tem acesso à declaração do Imposto de Renda. Esta é inviolável e só quem tem acesso é a Justiça. E mesmo assim a coisa não é tão simples, pois tem a história do sigilo fiscal e tributário.

Mas isso não vem ao caso. Silveira pode ter quanto ele quiser. A pessoa trabalha pra poder usufruir do esforço. E se houve espaço para interpretação equivocada, como o prefeito afirmou, talvez o erro tenha sido de sua assessoria.  A leitura que se pode fazer é com base no que está disponível na Justiça Eleitoral. Caso haja outra forma de explicar melhor esse avanço patrimonial, seria de bom alvitre que se apresentasse à população. Caso contrário, teríamos o primeiro caso concreto, depois do que a Bíblia nos apresenta, relacionado à multiplicação milagrosa de alguma coisa.

Nenhum comentário: