terça-feira, 12 de julho de 2016

O duplo sentido de ser livre

Debate bom, dias passados, com turma do Senac, onde o titular deste espaço ministra aula em cursinho preparatório para o Enem. E foi justamente sobre liberdade. Após colocar o tema, abriu-se a discussão e todos chegaram à conclusão de que não somos livres. Pegando o gancho da eleição que se avizinha, por exemplo, diz-se que somos livres para votarmos em quem quisermos. Mas vem a tal obrigatoriedade de votar. E isso põe em xeque toda a discussão inicial. Como pode haver obrigatoriedade na liberdade? Eis a questão.

Analisemos, pois, a pré-escolha dos candidatos que serão homologados durante as convenções partidárias. Inicialmente é preciso que os que pleiteiam assumir cargos eletivos se viabilizem. E aí já começa o quebra-cabeça da famosa liberdade. Diz-se que quem vota também pode ser votado. Mas não é assim que a coisa caminha. É preciso ter robustez política. O famoso "carisma" ou ter algum partido político em mãos. E assim, se qualquer cidadão se sentir livre para ir ao embate eleitoral já esbarraria nessas duas questões.

Com apenas esse exemplo a gente já pode chegar à conclusão de que não existe liberdade para nada. Todos nós estamos presos, de alguma forma, a alguma coisa. A busca pela liberdade não é nova. E a luta continuará por séculos. E no final, todos perceberão que será impossível alcançá-la.

Quer outro exemplo? Quando qualquer pessoa completa 18 anos de idade, costuma-se dizer que estaria na idade de ser livre. Mas aí surgem os compromissos, a busca pela inserção no mercado de trabalho. a qualificação profissional. De uma maneira ou de outra, é impossível se ter o que se quer. O antropólogo brasileiro Roberto Damatta enfatiza, em um dos capítulos do livro "Isso é o que faz brasil, Brasil", que existem três tipos de liberdade. Obviamente não com essas palavras. E que tais liberdades estariam em casa, na rua e no trabalho.

Assim sendo, quando se fala em ser livre, vem um velho ditado: "costume de casa vai à praça". É que em casa a gente realmente é o que é. E não se pode ser na rua quem se é em Casa. E quem somos na rua não podemos ser no trabalho. Assim sendo, nestes três tipos de liberdade, todo mundo acaba assumindo ou sendo obrigado a ter tripla personalidade. Cada qual busca, incessantemente, ser livre. E no final, todas morrerão antes de chegar à praia, pois é impossível ser livre plenamente.

E a liberdade plena, absoluta, só ocorre em um cantinho: no nosso pensamento. É lá que podemos viajar à vontade, sem nos importarmos com o famoso "quadrado" do outro. Mas se tal liberdade sai da esfera imaginária e ameaça o espaço do outro, isso se torna um baita problema. E é o que mais se vê na sociedade atual: todo mundo querendo ser livre sem respeitar um espaço que não é seu. Só existe um modo de conquistá-la: dando um passo de cada vez. Pensando, refletindo e aceitando a teoria aristotélica, de que o homem tem, por necessidade, viver em sociedade. E, assim acontecendo, se perceberá que por mais que a gente possa se sentir preso, verdadeiramente estaríamos sendo livres.

Nenhum comentário: