segunda-feira, 18 de abril de 2016

O que será do Brasil?

Muito se disse sobre a admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), aprovada no domingo pela Câmara Federal. Disse-se que os que votaram pelo impedimento não representariam a massa popular... E o titular deste espaço se pergunta? Como não? Não foram estes políticos que os eleitores elegeram? Se estão lá é porque alguém quis e alguém votou. Se houve excesso ou coisa parecida, caberá ao Senado corrigir alguma falha.

O certo é que a presidente Dilma pecou pela arrogância. Sim, porque foi reeleita e, de certo modo, achou que não teria mais que apresentar aos brasileiros alguma explicação sobre o que ainda está acontecendo. A desgraça de Dilma começou não apenas com as chamadas "pedaladas fiscais". Sua queda começou ainda na campanha eleitoral, quando teria faltado com a verdade ao dizer que a economia brasileira estava bem e que não haveria reajuste tarifário nas contas de luz nem nos combustíveis. E ocorreu justamente o contrário: tudo aumentou.

Se a economia estava bem, não se justifica reajustar algum produto. E se a economia estava bem, seria digno o reajuste salarial seguir o aumento constatado no consumo de energia e na compra de combustível. Ocorreu isso? Obviamente que não.

Daí, com a economia em frangalhos e tendo que arrecadar mais para manter algumas ações governamentais, Dilma não teve outra escolha: quebrar a palavra empenhada durante a campanha. De lá para cá o festival de dissabores políticos está para quem quiser pesquisar na net.

A presidente sabia que não ganharia na Câmara Federal. Talvez seja derrotada no Senado. E qual a lição que fica? Essa é a pergunta que não quer calar.

Ninguém sabe o que será do Brasil em caso de afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff. Uns dizem que ficará pior com o vice-presidente Michel Temer no comando da República. O futuro está sendo delineado. Só não se sabe se ele será digno e benevolente com quem sofre as consequências da falta de ética, principalmente, na política.


Nenhum comentário: