quinta-feira, 28 de abril de 2016

É preciso dosar a crítica

O cidadão tem razão em reclamar. Afinal, paga-se imposto para tudo. A situação, contudo, já esteve pior e é preciso reconhecer algum avanço. Nem só de crítica se vive e é preciso ficar atento para não pecar ou exagerar na dose.

É certo que existem problemas na área da saúde. É correta a teoria de que o cidadão precisa, cada vez mais, ser tratado com atenção redobrada. Mas não se pode partir dessa premissa para atirar pedras sistemática e continuamente sem olhar as nuances econômicas. A crise é generalizada. E atinge, por gravidade, quem precisa de atendimento na origem de tudo: os municípios.

O blog conversou com a Secretaria Municipal de Comunicação da Prefeitura de Mossoró para questionar a área. E obteve a informação de que a PMM estaria investindo 33% do orçamento na área da saúde.

E a Comunicação listou alguns avanços, como reabertura do CEO, ampliação do CAPS e outras medidas direcionadas para a saúde. 

O certo é que, diante de tantos problemas que afetam diretamente o cidadão, e em meio ao turbilhão por qual passa o Brasil na atualidade - com o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e se completa com a vacância do Ministério da Saúde, fica a incerteza sobre o futuro que vem.

Sem o olhar balanceado sobre tudo, pode-se incorrer em críticas que podem, necessariamente, descambar para o lado político. E misturar política pública com política partidária não é bom. Para ninguém. Muito menos para o cidadão.

Nenhum comentário: