segunda-feira, 18 de abril de 2016

Carros fumacê passarão em mais nove bairros

Após concluir as atividades nas cinco regiões com maiores Índices de Infestação Predial (IIP), os carros fumacê contemplarão mais nove bairros e uma comunidade rural. Os veículos iniciarão as ações na próxima quinta-feira, 21, e trabalharão durante 15 dias (incluindo feriados e finais de semana) em todas as ruas dos bairros de Abolições, Alto de São Manoel, Barrocas, Bom Jardim, Costa e Silva, Ilha de Santa Luzia, Paredões, Santo Antônio e Santa Delmira, além da comunidade rural da Barrinha.

A escolha desses locais se deve a elevada quantidade de notificações que foram enviadas à Vigilância à Saúde de pessoas que deram entrada nas unidades de saúde com suspeitas e/ou confirmações de alguma doença relacionada ao Aedes aegypti nas últimas semanas. Além disso, também foi levado em conta o IPP desses bairros que estão acima do aceitável pelo Ministério da Saúde, que é de até 1%. Esse índice mostra a quantidade de larvas do mosquito encontrada em determina região.

Durante os próximos 15 dias, os veículos percorrerão 1.322 quarteirões, podendo ter as atividades suspensas em dias de chuvas. Os carros iniciarão as atividades sempre das 4h às 7h e das 16h às 19h. A Secretaria de Saúde aconselha a população a abrir as portas e as janelas durante a passagem dos carros. Deve-se ter cuidado para o inseticida expelido não entrar em contato com alimentos e evitar que animais sejam expostos excessivamente ao veneno.

A secretária municipal de Saúde, Leodise Cruz, afirma que as atividades dos carros fumacê integram o Plano Municipal de Combate ao Aedes, que prevê uma série de ações contra o mosquito. “É importante destacarmos que essa é uma ação emergencial e provisória. A forma mais eficaz de combater o vetor é não permitir que nasçam as larvas. Por isso, a Secretaria insiste em pedir a população que mantenha o combate ao mosquito dá melhor forma, não deixando água parada”, acrescenta.

De acordo com a coordenadora da Unidade de Endemias, Karla Cartaxo, o carro fumacê é uma parceria do Governo do Estado com a Prefeitura de Mossoró. Ela acrescenta que o veículo só pode ser utilizado quando o Município já apresenta surtos ou epidemias de doenças relacionadas ao Aedes. “O Ministério da Saúde preconiza que o inseticida seja utilizado como um dos últimos recursos no combate ao mosquito. O ideal é intensificarmos as medidas e não deixarmos que as larvas nasçam, eliminando todos os recipientes que acumulem água. Por isso, estamos pedindo a colaboração de todos para que, juntos, possamos vencer esta guerra contra o vetor”, afirma.

Entenda a seleção dos oito bairros:
A seleção dos bairros se dá através de monitoramento constante da Secretaria Municipal de Saúde de Mossoró e da Secretaria Estadual de Saúde Pública- SESAP. Os dois órgãos, que se reúnem constantemente, levam em consideração as seguintes estatísticas: a quantidade de notificações de casos suspeitos de alguma doença relacionada ao Aedes (dengue, febre Chikungunya ou Zika vírus) e o Índice de Infestação Predial.

No primeiro ciclo, os carros fumacê percorreram, num período de 20 dias ininterruptos, os bairros de Planalto 13 de Maio, Dom Jaime Câmara, Aeroporto, Sumaré e Belo Horizonte, locais que apresentam IPP acima de 10%. Nessa segunda etapa, serão percorridos bairros com IPP acima de 1% e elevado número de notificações.

A secretaria ainda lembra que outros bairros poderão ser acrescentados posteriormente, a depender do crescimento das notificações nas últimas semanas, de acordo com o monitoramento feito pelas secretarias. O Município apresenta um IPP de 5.7%, considerado elevado. O bairro que lidera o IPP, neste segundo ciclo, é a Ilha de Santa Luzia, com 14,2%; logo após vem os Paredões, com 13%, Alto de São Manoel, 7,9%; Barrocas, 5.4%, Santa Delmira, 3.8%, Santo Antônio, 3.4%; Costa e Silva, 1.8%; Abolições, 1.6%.

Todo o Município possui um IPP de 5.7%. Nos próximos dias, as equipes intensificarão a vigilância às notificações das doenças relacionadas ao Aedes aegypti, com objetivo de acompanhar os números e ampliar as ações. “Para isso, enviamos um ofício às unidades de saúde, públicas e privadas, solicitando que os profissionais não esqueçam de notificar casos suspeitos ou confirmados e enviá-los à Vigilância, setor responsável pela implantação das políticas de combate ao mosquito e pelo monitoramento das doenças”, conclui Geizarelle Soares.

Nenhum comentário: