segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Silveira não está "morto" politicamente

Apesar dos problemas, que são muitos, o prefeito Francisco José Júnior (PSD) não pode ser considerado "carta fora do baralho". É fato que hoje Silveira sofre desgaste. Não se questiona. Mas também é fato que ele já emitiu sinais claros de que sabe o "caminho das pedras", que entende do metiê. Afinal, três eleições consecutivas como experiência o deixaram, no popular, calejado e sabedor das realidades, diferentes, que permeiam todo e qualquer processo sucessório.

Hoje Silveira é o que se chama de "telhado de vidro". Sua administração deixa a desejar, mas nada o impede de retomar o comando da situação e se apresentar, novamente, como esteve durante a gestão interina.

É certo que a eleição de 2016 terá o fator Robinson Faria (PSD), que teve apoio de Silveira e certamente retribuirá. Ocorre que o governo Robinson tem se mostrado apático e indiferente às questões mossoroenses.

Como 2015 está sendo marcado por essa tal crise financeira, pode ser que em 2016 a coisa melhore. Até porque o prefeito mossoroense estaria pensando em fazer antecipação de receita junto à Petrobras. Isso acontecendo, e se a Câmara Municipal aprovar, Silveira Júnior teria como mudar a onda de negativismo que ronda a sua administração.

É algo que quem estivesse na Prefeitura de Mossoró estaria passando pelos mesmos problemas. Seria do mesmo jeito? Ninguém sabe. O certo é que a verba estaria menor do mesmo jeito e as queixas também estariam acontecendo do mesmo jeito.

Assim sendo, o blog reafirma o que disse acima: não se deve menosprezar ou afirmar que Silveira está morto politicamente. Pelo contrário. Ele está no páreo. Basta aprumar o jogo. Basta a dinâmica "comunicacional" vista durante sua administração interina. Parece que, depois de "efetivado" no cargo, Silveira relaxou e deixou sua equipe tomar as decisões. Algumas positivas. Mas a maioria, danosas a um projeto político que tinha tudo para dar certo e ele se firmar como liderança. Mas ainda tem tempo. Basta ele querer.

Nenhum comentário: