quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Será que antecipar receita é o certo?

O titular do blog leu, ainda a pouco, entrevista publicada pela Revista BZZZ, que tem como editora a jornalista natalense Eliana Lima, com o Jorge Arbache, professor doutor em Economia da Universidade de Brasília, e não entende como é que governos, todos eles, fazem para anunciar cortes e, ao mesmo tempo, propagar empréstimos ou antecipação de receita. Aplicando uma frase de Arbache no contexto local, vem a preocupação. Ele afirmou: "nós vamos sentir saudades de 2015."

Só se sente saudades de "coisa boa". Se a situação agora está ruim, em decorrência da crise econômica, os anos vindouros podem ser bem piores. No caso de Mossoró, pode ficar muito pior. É que a Prefeitura tem registrado retração de R$ 8 milhões/mês na sua receita. Para driblar o cerco negativo e tentar sobreviver administrativa e politicamente no próximo ano, o prefeito mossoroense trabalha com a ideia de antecipar verba dos royalties pagos pela Petrobras. Será uma espécie de empréstimo, tendo como garantia, crê o blog, os recursos repassados pela Petrobras pela exploração de petróleo e gás por estas bandas.

Mas aí é que está a questão: se, como diz o doutor em economia da Universidade de Brasília, iremos sentir saudades de 2015, a coisa vai, no popular, ficar bem preta. Com a antecipação de receita e diante da retração sistemática da arrecadação, a Prefeitura de Mossoró pagará um preço elevado. E aqui o blog refaz a colocação: quem vai pagar preço alto é a população. Sim, pois a antecipação de receita vai garantir alguma obra pontual. Mas como ficará a manutenção dos serviços básicos? Se com a receita de agora a coisa já não está boa, como ficará com o comprometimento de recursos futuros?

A Câmara Municipal, principalmente o seu presidente e os vereadores, todos, devem estudar o projeto antes de aprovar por aprovar. Será que vale à pena investir em pavimentação (calçamento e asfalto) e deixar setores básicos sem atenção futura? Será que vale à pena antecipar receita por antecipar, ainda mais quando o Brasil passa por uma tremenda crise econômica, a qual é fruto da falta total de planejamento dos governos (todos eles)?


Nenhum comentário: