sexta-feira, 18 de maio de 2012

Defesa de Cachoeira pede mais tempo para analisar dados sigilosos


Sob alegação de que não haverá tempo para analisar todos os dados sigilosos em posse da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista, os advogados de Carlinhos Cachoeira querem adiar o depoimento marcado para a próxima terça-feira (22).

Na noite de quinta-feira (17), a defesa entrou com um novo pedido junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para manutenção da liminar concedida pelo ministro Celso de Mello garantindo ao contraventor goiano o direito de não depor no colegiado.

Na quarta-feira (16), um dia após abrir os dados secretos para a defesa de Cachoeira, a CPI protocolou no Supremo um pedido de reconsideração da decisão do ministro Celso de Mello, que agora terá que analisar as duas demandas.

O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), que integra a CPI, esteve, na manhã desta sexta-feira (18) na sala onde estão os arquivos secretos das operações Vegas e Monte Carlo da Polícia Federal.

Ao sair do local, ele disse ter constatado que os advogados de Carlos Cachoeira não estão usando o tempo disponível para a análise dos documentos. Segundo registros da comissão apresentados aos jornalistas, os advogados só estiveram na CPI na noite de terça-feira (15) e em parte do dia de quarta-feira (16), não retornando na quinta, nem na sexta.

– O presidente da CPI está colocando o ministro Celso de Mello a par de todas as informações sobre o acesso dos advogados aos documentos – informou.

Miro Teixeira acrescentou que o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), colocou à disposição da defesa todos os computadores com dados armazenados. O parlamentar afirmou que, com o recurso para evitar o comparecimento de Cachoeira à CPI na próxima terça-feira, os advogados estão adotando uma atitude protelatória.

Para facilitar o trabalho dos advogados de Cachoeira, Vital do Rêgo já autorizou a abertura da sala com os dados sigilosos neste sábado e domingo (19 e 20). O local ficará disponível das 9h às 20h. 
 Fonte: Agência Senado

Nenhum comentário: