segunda-feira, 26 de setembro de 2011

'Estarei ao lado do meu grupo', diz Cláudia Regina

O blog publica Entrevista com a vereadora Cláudia Regina (DEM), que discorre sobre temas interessantes na política mossoroense. Embora seja um dos melhores quadros do Democratas para a sucessão da prefeita Fafá Rosado, Cláudia não tem a garantia de que ela será a escolhida. Nesta conversa, a vereadora responde sobre as possibilidades e descarta a existência de um “plano B”.

As últimas movimentações do presidente municipal do DEM indicam que o nome governista à sucessão da prefeita Fafá Rosado pode não sair do círculo hoje formado e no qual a senhora pertence. Diante dessa especulação, a senhora acredita que o candidato democrata poderá ser uma novidade?
Eu desconheço completamente estas declarações de Carlos Augusto. Disse a quem? Quem ouviu? Pelo contrário, tenho ouvido declarações de Carlos Augusto em defesa do DEM, de incentivo aos que estão e querem fortalecer o partido. É preciso ter bastante cuidado em buscar estas fontes que estão informando isso, porque muitas vezes saem de pessoas interessadas em dividir, em enfraquecer e não é isso que o presidente do nosso partido anda dizendo. Você me pergunta sobre quem será o candidato ou a candidata democrata, acredito naquilo que vem sendo dito por José Agripino, por Carlos Augusto, por Rosalba, por Fafá e por Leonardo. Que será um nome que tenha condições de levar o nosso partido a mais uma grande vitória

Hoje o grupo governista conta com cinco nomes à disposição. Dois estariam, em tese, fora da disputa eleitoral por não integrarem o DEM. Sobram a senhora, Chico da Prefeitura e Ruth Ciarlini. Como projetar uma definição?
Estamos ainda a quase um ano do processo eleitoral. Existem nomes que estão sendo colocados pela imprensa e por isso passam por avaliações constantes por parte dos observadores políticos. Entre estes nomes, o meu está incluído. Acredito que a esta altura ninguém pode fazer uma projeção em caráter definitivo, mesmo porque se trata de um processo bastante dinâmico e com bastante tempo ainda pela frente. O fato é que as nossas lideranças têm dito que o nome será do DEM e como sou integrante deste partido me coloco dentro destes critérios estabelecidos.

Apesar da prefeita Fafá Rosado ter afirmado que não renunciará ao mandato para beneficiar a vice-prefeita Ruth Ciarlini, essa possibilidade não foi totalmente descartada. Como a senhora analisa uma provável renúncia da prefeita?
Esta hipótese da renúncia vem sendo tratada apenas na mídia, pelo que sei nunca houve sequer uma conversa nesse sentido. Perguntei a prefeita Fafá Rosado sobre isso e ela me respondeu que isso nunca foi tratado com ninguém, nunca ninguém lhe fez este tipo de proposta e que não passa pela sua cabeça esta decisão. De qualquer forma não sou eu que tenho que dar uma resposta a esta pergunta. É a própria prefeita que pelo que tenho visto já deu varias declarações a respeito. Portanto, acredito que se trata de assunto encerrado.

Em recente reunião com o presidente do DEM mossoroense, Carlos Augusto Rosado, ele falou aos vereadores que o candidato a prefeito do grupo seria o que mais agregasse ao projeto governista. Como chegar a esse nome?
Essa declaração de Carlos Augusto ratifica o que disse sobre o desejo dele de valorização e fortalecimento do nosso partido, o DEM. Concordo com ele plenamente. Nosso candidato tem que ser aquele nome que mais agrega, aquele nome que mais reúna qualidades para uma disputa eleitoral. Será um nome que tenha esta visão política, que pense no fortalecimento do trabalho que a nossa governadora Rosalba começou a realizar no nosso Estado e que corresponde aos planos do DEM que vem trabalhando nesta cidade há tempo, continuado na gestão de Fafá que fez a cidade avançar cada vez mais no seu desenvolvimento.

Algumas análises feitas por jornalistas políticos apontam que a senhora será candidata à reeleição. Caso não consiga viabilizar seu nome à disputa majoritária, esse poderia ser o chamado plano B?
Não serei hipócrita de desconsiderar a citação do meu nome para a disputa da Prefeitura, de agir como se isto não estivesse acontecendo ou me fazer de desentendida. É algo que me deixa honrada. Pelas funções públicas que ocupei, de secretária municipal, de vice-prefeita e de vereadora, me sinto preparada para um desafio deste porte. Acredito que tenho a contribuir com o processo de desenvolvimento da cidade. E quando seu nome é citado dentro de um processo como o meu está sendo, se digo que me sinto preparada para contribuir com uma missão dessas, o mais honesto a fazer é buscar ouvir as pessoas, considerar as alternativas e trabalhar para que haja a viabilização. Então, para responder de forma bem sincera sua pergunta, lhe digo que estou sim levando em consideração a possibilidade de vir a disputar a Prefeitura de Mossoró. E quando você admite uma possibilidade tem que se focar nela. Estabelecer plano A, plano B ou plano C, seria falta de foco da minha parte.

Outra possibilidade já especulada diz respeito ao seu nome compondo a chapa majoritária na condição de candidata a vice-prefeita. A senhora está pensando, também, nessa direção?
A direção do meu pensamento eu já respondi bem claramente na resposta a pergunta anterior que me foi feita. Muito me honrou ter exercido o cargo de vice-prefeita da minha cidade. Colaborei da forma que pude com a administração que fiz parte. Acredito que esta contribuição já foi dada.

Voltando à questão Ruth Ciarlini: o fato da atual vice-prefeita ser irmã da governadora Rosalba Ciarlini é visto como algo que poderia ser facilitador para Ruth ser alçada à condição de prefeita e, naturalmente, ir para a reeleição. Caso essa possibilidade se concretize, não causaria problemas ao grupo? A senhora acha que a prefeita Fafá Rosado teria como participar ativamente da campanha?
Não posso avaliar uma situação hipotética deste porte, considerando que não existe de nenhuma das partes, seja da governadora ou da prefeita, qualquer articulação que leve a algo assim. Como disse antes isso nunca foi tratado e a prefeita já anunciou sua posição para a hipótese que está sendo especulada. O que posso avaliar, e acho que é o que você está me perguntando, é a importância da governadora Rosalba Ciarlini na sucessão municipal e a influência que ela terá junto ao eleitor. Rosalba tem uma história com Mossoró, a cidade reconhece suas três gestões que foram importantíssimas para que a Mossoró tão sonhada por todos fosse se tornando uma realidade. Ela é a maior eleitora de Mossoró, é a nossa líder e seu apoio será primordial para uma campanha vitoriosa. Sobre a participação ativa e legitima de Fafá Rosado na campanha, acredito nisso sim. Porque tenho certeza que Rosalba e Fafá estarão juntas, lado a lado, defendendo um nome que seja o melhor para Mossoró.

A administração municipal passa por um bom momento, com obras de grande porte para serem inauguradas, e a prefeita Fafá Rosado aparece,  consequentemente, em situação política confortável para as eleições de 2012...
A prefeita Fafá Rosado é uma pessoa séria, honesta, comprometida com a cidade. Sua administração foi alvo de uma duríssima campanha de mídia, atacada diariamente, sempre por pessoas que apostavam no quanto pior, melhor (para elas). A prefeita teve a coragem de tomar decisões difíceis quando a crise se abateu sobre os municípios, os Estados e o País. E foi pela sua coragem que a cidade saiu da crise em maiores problemas. As obras estão ai, as contas da Prefeitura estão organizadas, a cidade cresce e o povo tem orgulho disso tudo. Eu tenho certeza que Fafá terá uma participação ativa na sua sucessão, vai estar nas ruas defendendo um projeto político que represente mais desenvolvimento e mais crescimento. Como ela sempre fez, com coerência, equilíbrio, sensibilidade, ética sem atacar ninguém, sempre com um sorriso e um abraço aberto para todos.

Percebe-se que a senhora vem aparecendo mais em eventos da Prefeitura e mais ao lado do secretário Alex Moacir, do PMDB. Seria a divulgação prévia da chapa ideal para a senhora?
Considerando que não existe nenhuma definição e que não se pode falar que A ou B será candidato ou candidata, imagine eu ter a pretensão de falar agora em chapa ideal ou chapa de meu gosto. O secretário Alex Moacir é um amigo que tenho e que pelo seu trabalho teve seu nome posto no processo sucessório para disputar na chapa majoritária. Assim como outros nomes estão colocados. Como tenho acompanhado a agenda da prefeita e em alguns momentos tem coincidindo de estarmos juntos. A formação de chapa é uma tarefa das nossas lideranças e como liderada que sou confio que eles saberão fazer as melhores escolhas.

Caso a senhora não seja indicada pelo DEM à chapa majoritária, como será a sua participação no pleito eleitoral do próximo ano?
Eu compreendo que o jornalista político tem necessidade de reunir opiniões sobre os diversos cenários. Por isso compreendo esta sua pergunta que aborda a hipótese de um cenário. Mas não há nenhuma dificuldade em responder a isso não. Tenho me colocado neste processo como integrante de um grupo político cuja missão é ajudar a manter vitorioso um projeto que vem ajudando esta cidade a se desenvolver. Sou um soldado. Tenho sentimento de colaboração. Quem pensa assim está disposto a participar de um debate maior, com bons argumentos e com visão de futuro. Portanto, estarei ao lado do meu grupo como sempre estive, defendendo as idéias que prevalecerem neste debate democrático.

Nenhum comentário: