sábado, 21 de janeiro de 2017

Como resolver tudo em 21 dias?

Estamos mesmo em que dia de janeiro? Neste sábado são exatos 21 dias. Esse é o tempo que a atual administração mossoroense tem para maturar tudo e apresentar respostas a todos os problemas que a sociedade local enfrentou, pelo menos, nos últimos dois anos. Esse é o pensamento de alguns, que insistem em exagerar na dose e partir para o ataque. Simplesmente por atacar. O blog já leu de tudo e, por último, de que o problema no sistema carcerário é da prefeita Rosalba Ciarlini, que foi governadora do RN e com mandato encerrado em 31 de dezembro de 2010. De lá para cá são exatos dois anos e 21 dias de distância.

O problema é que alguns insistem na teoria do imediatismo. Vamos por parte: Mossoró fechou 2016 com salários em atraso. Dias passados o blog com uma agente de saúde e esta afirmou que ficou sem receber meses de novembro, dezembro e o décimo, que é pago no mês de aniversário do servidor. No caso dela, foi novembro. Assim como essa agente de saúde, certamente outros exemplos estão surgindo e avolumando queixas. O servidor tem o direito de receber, sim. É fato.

Esse era só um exemplo para ilustrar a situação de caos em que estava Mossoró. O blog não está fazendo apologia em favor de Rosalba ou dizendo que não se tem problemas. O que está se colocando aqui é que, a priori, é apresentado um prazo para novos gestores apresentarem resultados. E esse prazo é, geralmente, de 100 dias. Algo que não deve ser levado em consideração em  Mossoró, pois os exageros no mundo virtual são gritantes. Mas vamos com calma... 

A própria prefeita já disse que vai pagar aos servidores. E o blog entende que só não houve avanço nas afirmações de Rosalba porque falta o básico em todo início de governo: informação. Algo que não se teve na transição e os problemas simplesmente se avolumam quando uma nova gestão começa sem que tenha, em mãos, noção sobre o andamento de questões administrativas. O blog não vai dizer que foi algo maquinado pela gestão passada... Mas abre margens para isso...

Olhem a saúde, por exemplo: as Unidades Básicas de Saúde estavam desabastecidas de medicamentos e de material de expediente. A UBS Dr. Ildone Cavalcante, no bairro Barrocas, ainda segue fechada, tal os descalabros deixados. E quem sobre é a população. Pacientes estavam sem transporte para tratamento em outras cidades... Enfim, um baita problema que começou a ser solucionado. E o blog volta a dizer: não está defendendo a atual gestão. Apenas enfatiza que não se pode cobrar demais sem que se tenha cobrado da gestão anterior. Quem faz isso está sendo, no mínimo, intransigente e escrevendo pelo simples fato de escrever algo contra. Só isso.

Agora com relação à segurança, não se pode atribuir à prefeita Rosalba algum problema na área. O governador do Rio Grande do Norte, há dois anos e 21 dias, é Robinson Faria. E cabe a ele apresentar alguma solução. A Agência Brasil traz material dizendo que Robinson vai, em outras palavras, fechar o presídio de Alcaçuz, onde aconteceu - e está acontecendo - briga de facções criminosas que lutam pelo domínio do poder paralelo. Se fosse questão a ser resolvida por Rosalba, quem estaria afirmando isso à Agência Brasil era ela, e não Robinson. Não é verdade? Então é hora de dar um  tempinho e esperar, pelo menos, um mês de administração. Já que tolerância de 90 dias não deverá ser respeitada.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

PMM retoma serviços em trabalho de reorganização administrativa

Limpeza pública intensificada, iluminação de ruas retomada, abastecimento das Unidades Básicas de Saúde e obras iniciadas. Tudo isso em apenas três semanas de administração. A prefeita Rosalba Ciarlini tem enfatizado que o choque de reorganização precisa tomar conta da cidade para que a população possa ter a certeza de que um novo momento se iniciou.

As ações que estão sendo executadas na área da Secretaria Municipal de Infraestrutura, por exemplo, seguem a demanda da própria sociedade. É que ainda não se tem como apresentar, com detalhes, projetos que serão executados, uma vez que todas as pastas ainda estão em processo de formatação de informações. É que não houve transição e, por conta disso, dados sobre convênios e projetos estão sendo catalogados um a um.
Mesmo assim, já é possível identificar diferença. A cidade está mais limpa e organizada, mesmo em pouco espaço de tempo. À medida que as informações sejam coletadas e projetos organizados, a tendência é que mais ações possam ser concretizadas.

Na Secretaria da Infraestrutura, a titular da pasta prepara uma série de ações que vão desde coleta de lixo, passando por saneamento, habitação e outros.

Na saúde, a prefeita Rosalba Ciarlini tem direcionado atenção especial, no sentido garantir atendimento à população. Prova disso foi o abastecimento de medicamentos e de material de expediente em todas as Unidades Básicas de Saúde. Além de, logo nos primeiros dias de governo, ter retomado transporte para pacientes que fazem tratamento em outros municípios e o conserto de ambulâncias que estavam quebradas.

O choque de reorganização passa por todos os setores e o objetivo da prefeita é acelerar ações, no sentido de fazer valer o que espera a própria sociedade em termos de serviços públicos, seja em qual área for.


Fonte: Secom/PMM 

O Nogueirão está liberado

A Prefeitura de Mossoró, através da Procuradora do Município, se debruçou sobre o problema, deu todo suporte a LDM, orientando-a a entrar com recurso na justiça pleiteando a imediata liberação. Resultado: o Nogueirão está liberado para as partidas do Estadual 2017. 

A prefeitura se posicionou dessa forma porque entende que todos os itens de segurança essenciais já haviam sido atendidos e a ausência de corrimões que foi apontada pelo corpo de bombeiros como razão de negativa para abertura do estádio não é uma questão que oferece risco ao torcedor.

A prefeitura apoiará e deseja sucesso aos nossos times na disputa desse estadual, aproveitando o ensejo para  convocar  os nossos torcedores a prestigiarem o Potiguar e Baraúnas em todos os jogos desse Estadual!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Prefeita assegura pagamento de janeiro em dia

Em audiência realizada no final da manhã desta segunda-feira (16), a prefeita Rosalba Ciarlini recebeu representantes do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindiserpum). O encontro atendeu solicitação da categoria e mostra a iniciativa da administração de buscar  o diálogo com os servidores.

A partir da audiência, foi apresentada a definição sobre o pagamento relativo ao mês de janeiro, que será em dia, além do terço de férias para os professores. Foi garantida também a adequação do município à Lei do Piso Nacional. “Nós encaminharemos o projeto para aprovação da Câmara Municipal de Mossoró, assim que o legislativo retornar do recesso. Esperamos pagar o retroativo a partir de primeiro de janeiro, logo que a lei for aprovada”, destacou a prefeita Rosalba Ciarlini.

Com relação aos valores em atraso deixados pela administração anterior, a Prefeitura está concluindo o levantamento das informações e pretende dar uma previsão aos servidores em uma nova reunião agendada para o dia 26 deste mês.  “Considero esse primeiro encontro muito positivo. Ouvimos todas as reivindicações e são todas preocupações  pertinentes. Estamos levantando todas as informações e em um grande esforço  para honrar os compromissos”, informa a prefeita.


Fonte: Secom/PMM 

Mossoró perde mais de R$ 50 milhões em projetos

Em análise inicial, a partir da determinação da prefeita Rosalba Ciarlini, no sentido de que todas as secretarias municipais realizassem relatório de gestão para identificar problemas deixados pela administração anterior, a Secretaria Municipal de Infraestrutura, Meio Ambiente, Urbanismo e Serviços Urbanos já identificou que a Prefeitura de Mossoró perdeu mais de R$ 50 milhões em projetos.

Segundo a secretária Kátia Pinto, o que o município perdeu é grande, em termos de dinheiro e de importância social e de mobilidade urbana. Somente em projetos relacionados à urbanização da Avenida Rio Branco foram perdidos R$ 32 milhões. São verbas de convênios que, infelizmente, a Prefeitura de Mossoró perdeu, disse Kátia Pinto.

Além de recursos para projetos de continuidade da urbanização da Avenida Rio Branco, a Prefeitura de Mossoró perdeu igualmente verba conveniada à erradicação e urbanização da Favela Wilson Rosado.

A Favela Wilson Rosado se localiza  às margens da BR-304, em área próxima à estação de energia da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) e motivou, em um passado recente, discussão de cunho social envolvendo o Ministério Público, moradores, a Chesf e o poder público municipal.

Ainda segundo a secretária Kátia Pinto, os recursos de convênios não podem ser mais retomados pela Prefeitura de Mossoró. Falta analisar, disse a secretária, os motivos que levaram ao Município a perder verba que poderiam gerar emprego, renda e mais qualidade de vida à população mossoroense. Kátia frisou que até a quinta-feira terá todas as informações sobre o problema envolvendo todos os projetos relacionados à Prefeitura de Mossoró e que, depois disso, terá reunião com a Caixa Econômica Federal e posteriormente com a prefeita Rosalba Ciarlini para detalhar o que pode ser feito a partir de agora. "O que posso dizer é que são convênios perdidos", afirmou.

Na reunião com a equipe da Caixa Econômica, a secretária vai tratar sobre projetos perdidos e também sobre os que podem ser retomados, dependendo da contrapartida e do envolvimento da própria Prefeitura Municipal, seguindo o cronograma estalebecido pela prefeita Rosalba Ciarlini, de apresentar à sociedade respostas que possam ser direcionadas ao trabalho que vem sendo feito, desde primeiro de janeiro, de retomada de reconstrução e desenvolvimento de Mossoró.


Fonte: Secom/PMM

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Prefeitura busca solução para falta de iluminação pública

A prefeita Rosalba Ciarlini esteve hoje pela manhã no Belo Horizonte verificando o serviço de manutenção da iluminação pública em algumas ruas do bairro. De acordo com o secretário executivo de Infraestrutura, Projetos e Serviços Públicos, Yuri Tasso, a falta de iluminação pública é responsável por cerca de 120 reclamações por dia, nas mais diversas áreas da cidade.

Na Rua Marinho Dantas, novas lâmpadas foram colocadas nos postes. “Aqui na rua eram três postes queimados e se já é perigoso com a iluminação, imagine sem ela. Ainda bem que a nova prefeita está se preocupando com esses problemas e tentando resolver”, disse a dona de casa Maria José Matoso.

Yuri Tasso destacou que a Secretaria Executiva já iniciou um levantamento do que é arrecadado pelo município com iluminação pública, além dos locais onde o consumo é mais alto, para que os problemas sejam resolvidos.

“Estamos indo às ruas, verificando com a população os problemas pelos quais as famílias estão passando, para que, na medida do possível, possamos resolver”, destacou a prefeita Rosalba Ciarlini.

Fonte: PMM

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Secretária de Educação busca solução para filas em escolas

Redes armadas, cadeiras e um acampamento no pátio da escola. Esta era a situação dos pais de alunos interessados em matrículas para este ano na Escola Municipal Joaquim Felício de Moura, no bairro Santo Antônio. A situação se estendia desde o final de semana passado até as fichas serem distribuídas na tarde de ontem pela nova secretária de Educação, Magali Delfino.

Ao todo foram distribuídas 52 fichas, para as matrículas dos alunos novatos que serão realizadas amanhã, como já estava no calendário letivo do município.

Magali Delfino já considera resolvido o problema da escola, visto que as fichas já foram entregues. “Para 1º, 8º e 9º anos, sobraram fichas. Para as demais turmas, algumas completaram e outras faltaram, mas estes que faltaram já estão em uma lista de espera”, destacou.

Os pais, após solucionarem o problema, se diziam satisfeitos com possibilidade da matrícula realizada. “Consegui uma ficha para matricular meu filho. Faço questão dessa escola por ser próxima à minha residência. Meu filho vai fazer o primeiro ano e eu preferiria que fosse direcionado já da UEI para escola, fica a sugestão para o novo governo”, disse Railya Evinir.

A dona de casa Natacha Dantas aguardava na escola desde o último final de semana uma oportunidade de vaga para o filho que vai estudar o sexto ano. “Estou satisfeita por ter conseguido. O diretor da escola abriu os portões para que entrássemos enquanto aguardávamos as fichas. Foi melhor esperar dentro da escola”, afirmou.

A Escola Municipal Joaquim Felício de Moura possui ao todo vagas para 280 alunos, do 1º ao 9º ano, nos turnos matutino e vespertino.

Fonte: Secom/PMM

Secretário tem primeiro encontro com agentes de Trânsito

O secretário de Segurança Pública, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Trânsito, Eliéser Girão, se reuniu nesta manhã com os agentes da Guarda de Trânsito Municipal. Na oportunidade ele falou sobre organização dos serviços e sobre o pagamento dos servidores.

Neste primeiro encontro, Eliéser Girão falou sobre respeito ao próximo, organização e limites. “Nenhuma estrutura funciona sem respeito ou sem que se tenha obediência às normas e organização. Neste momento, temos uma nova gestão que precisa de novas ideias e muito trabalho”, disse o secretário.

Outra questão discutida foi a garantia dos salários em dia para os servidores. A prefeitura está identificando a situação das secretarias, inclusive a questão salarial para honrar o pagamento dos salários atrasados. “Esperamos que até a próxima semana já esteja tudo funcionando normalmente”, continuou.

Entre as metas ele citou a de trabalhar em parceria com o Departamento Nacional de Trânsito (DETRAN-RN) e a busca por melhores condições de trabalho para os agentes. “Já ouvimos a sugestão sobre o talão eletrônico, mas também vamos buscar meios de melhorar as estatísticas periódicas e agregar à Secretaria um componente de inteligência, que deve intensificar o trabalho de monitoramento”, destacou.


Elieser Girão concluiu o encontro afirmando que o trabalho da Guarda não é apenas aplicar multas, mas que tudo parte do princípio da educação. “Quero que vocês sejam conhecidos pela organização e pelo bom trato para com as pessoas. Para isso não temos que caminhar olhando para trás, temos que fazer acontecer”.

Fonte: Secom/PMM

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Arrumar a casa chamada Mossoró não é fácil

Arrumar a casa. Parece tarefa fácil, mas é bem complicado. Ainda mais quando esta casa tem quase 300 mil moradores. Aí a coisa fica bem mais difícil. Mossoró passou por altos e baixos nos dias recentes e passados. Bem verdade que não foram todos ruins, mas a maioria, sim, E isso é o que se destaca. A começar por quem depende de serviços públicos e essenciais à garantia de vida na sociedade, como saúde. São águas passadas? Certamente que sim, mas as consequências vão se manter por algum tempo.

Não se arruma uma casa do porte de Mossoró do dia para a noite ou da noite para o dia, como queiram. E o blog aqui não faz nenhuma apologia à capacidade da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). De modo algum. Apenas ressaltando que não se pode esperar milagres de imediato. Os problemas que existiam até 31 de dezembro vão continuar até que se tenha condições reais de saná-los totalmente. E a própria prefeita já disse que não vai resolver tudo de uma vez.

Até porque o mês começou agora, igualmente a nova administração. São tantos defeitos, problemas e queixas que as pessoas querem tudo de imediato. E com razão. Os impostos que se paga são altos para não se ter retorno. Mossoró ficou quase quatro anos fechada em uma redoma inexistente na vida real e centrada em um imaginário incomum. Coisas que não se sabe explicar.

A situação só vai se normalizar quando a nova gestão tiver condições de trabalhar. Medidas austeras já foram anunciadas. É preciso, neste momento, compreender as razões pelas quais não se pode agir agora. O blog entende que tudo tem seu tempo e, no caso administrativo, as coisas se complicam em virtude da abertura do orçamento, que deve acontecer em meados de fevereiro. Até lá, somente ações básicas ocorrerão.

Representantes da Azul Linhas Aéreas são recebidos por Rosalba

Equipes da Azul Linhas Aéreas realizaram visita de avaliação técnica ao Aeroporto Dix Sept Rosado. Após a vistoria, o representante da empresa de aviação se reuniu com a prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini e apresentou a intenção da retomada dos voos regulares.

A reunião ocorreu no Palácio da Resistência e contou com a presença do assessor da presidência da Azul para assuntos institucionais, Ronaldo Veras, do general Jorge Ernesto Fraxe, diretor geral do Departamento de Estradas e Rodagens (DER-RN), do chefe de Gabinete, Carlos Eduardo Ciarlini e do secretário de Desenvolvimento Econômico, Lahyre Neto.

A expectativa é que o relatório da Azul seja concluído em 15 dias. O levantamento vai observar aspectos como infraestrutura e requisitos de segurança e operacionalidade da linha.

A prefeita Rosalba Ciarlini destacou a importância da retomada das operações para a economia local. “Sabemos que há uma necessidade urgente de inicio da operação de voos, que possibilita, inclusive, a atração de investimentos. A nossa gestão tem uma parceria administrativa com o Governo do Estado e queremos dar o apoio necessário”, disse.


A intenção é dar início a voos permanentes ou estudar a possibilidade de iniciar testes de voo sazonal durante o Mossoró Cidade Junina.  “Acreditamos na viabilidade e queremos estar juntos nessa operação que é muito importante para Mossoró”, relatou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Lahyre Neto.

Fonte: Secom/PMM

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Rosalba: 'é preciso transparência e honestidade'

Ao empossar o secretariado agora a pouco, em solenidade realizada na Estação das Artes Elizeu Ventania, a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) enfatizou que a luta será difícil contra duas crises. A nacional, obviamente, e a local. A primeira, todo mundo já sabe do que se trata. Já a local tem ingredientes bem próprios: de ordem administrativa, financeira e moral. Algo que já se bateu muito, se disse muito e não vale à pena retornar ao assunto, mas que é preciso combatê-la. E, para a prefeita, só existe um antídoto para tal mal: economizar.

"Não podemos gastar", afirmou a prefeita, acrescentando que alguém poderia perguntar como é que ela vai tirar a saúde do caos sem gasto. E ela respondeu: "investir não é gasto. Temos que economizar cada centavo nas coisas mais simples para que possamos sair do desequilíbrio e dar respostas à população. As pessoas querem respostas", enfatizou.

Rosalba também frisou que o trabalho precisa da união de cada secretário e reforçou: "vamos tomar medidas de corte de gastos, Não é para esmorecer. É preciso transparência e honestidade, pois estamos cuidando de um dinheiro que não é nosso, e sim do cidadão."

A prefeita disse que não será do dia para a noite que vai tirar Mossoró do ostracismo administrativo e conclamou a união de todos, secretários e vereadores, ao trabalho que já se iniciou. É que depois da solenidade de posse do secretariado, Rosalba se reuniu com o secretário municipal de Saúde, Benjamim Bento, para discutir os problemas - que não são poucos - da área.

Segundo a secretária de Comunicação, Aglair Abreu, a prefeita Rosalba Ciarlini foi8 conhecer, de perto, a realidade da Secretaria de Saúde, já que não foi possível obter informações sobre a pasta na transição. Rosalba confirmou, conforme Aglair, que a saúde será prioridade.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Feliz ano novo

Quem é vivo sempre aparece... Eis-me aqui, retornando ao batente depois de dias ausente. O ano está acabando e muitos estão dizendo: 2016 já vai tarde. Ô anozinho complicado, esse. Crise financeira, administrativa... Enfim, colapso quase total. E em Mossoró, mossoroenses respiram aliviados com o fim da administração do prefeito Silveira Júnior. Ufa!!! Até que enfim...

As mazelas deixadas pela administração que se finda serão cruéis. Mas o tempo cura tudo e a todos, E não será diferente com Mossoró. Até porque a cidade merece todas as chances do mundo...

Desejar aos leitores do blog um ano novo repleto de coisas boas.

Que possamos, todos, aproveitar o que está por vir. O futuro nos espera!

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A UERN É O ESTADO VIVO

É com espanto e indignação que a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN toma conhecimento da declaração do presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte - TJRN, desembargador Cláudio Santos, durante entrevista ao RNTV 1ª edição desta data (31/10/2016), sugerindo a privatização da UERN. A “proposta”, num improviso gerencial, não tem lastro jurídico, social nem econômico.

A UERN é um órgão estadual, criado por lei, que há mais de 48 anos vem formando pessoas nas mais diversas áreas do conhecimento, com ênfase nos profissionais para a educação básica, tanto na graduação quanto na pós-graduação.

A Universidade implementou diversas medidas para adequação de suas despesas à realidade orçamentária e financeira estadual, dentre as quais a implementação do teto salarial, racionalização de alugueis, descontinuidade de oferta de cursos em Núcleos Avançados de Ensino Superior, revisão de contratos, além de focar na captação de recursos fora do Erário Estadual, tais como convênios com a União e Entidades de Fomento.

Sugerir, por outro lado, que o Estado conceda bolsas de até R$ 1.500,00 para cada aluno, como opção ao enfrentamento do “custo” de R$ 20 milhões por mês, sem mencionar ou conhecer que a UERN conta com mais de 15 mil alunos, é um despropósito financeiro, dado que o montante ultrapassaria R$ 22,5 milhões, muito além do suposto “gasto” com a Instituição.

Nos momentos de crise, como a que ora atravessa o Rio Grande do Norte, os esforços das melhores inteligências do Estado deveriam se unir para formular soluções duradouras e viáveis para o desenvolvimento da região, e não apontar propostas mirabolantes, que apenas mascaram os graves problemas de distribuição dos recursos públicos entre os diversos Poderes e Órgãos do Estado.

PEDRO FERNANDES RIBEIRO NETO
REITOR

ALDO GONDIM FERNANDES
VICE-REITOR


COMUNIDADE ACADÊMICA

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

UBS está fechada por falta de segurança

Populares que procuraram a Unidade Básica de Saúde Ildone Cavalcanti de Freitas, no bairro Barrocas, na manhã desta segunda-feira, 17, se depararam com a unidade fechada.

O senhor Francisco Antônio Filho relatou a reportagem do  DE FATO.COM que esteve na UBS nesta manhã, mas que não foi atendido. Segundo ele, os funcionários disseram que não atenderiam hoje devido a falta de guardas municipais.

“Eu estive lá de manhã e me disseram que não iam atender devido a falta de segurança. Não tem mais guarda municipal lá e por isso eles não vão atender. Eu preciso tomar remédio porque tenho pressão alta e sofro de diabetes”, disse Francisco Antônio.

A reportagem esteve na UBS Ildone Cavalcanti, por volta das 9h30, e constatou a unidade fechada. Outras duas pessoas estiveram no local atrás de atendimento médico, mas tiveram de procurar outra UBS.

Uma delas que procurou o posto de saúde nesta manhã foi Manoel Nezim. Ele informou ao DE FATO.COM que teria de tomar a última vacina contra o tétano. Entretanto, disse que procuraria outra UBS, pois deveria ter tomado o medicamento desde a última sexta-feira, 14.

“Eu estou aqui para tomar a última vacina contra o tétano. Era para eu ter tomado na sexta-feira passada, mas não consegui. Vim hoje aqui e está fechada”.

Leonardo Batista esteve com a esposa grávida também na UBS do bairro Barrocas e teve de procurar outro lugar para solicitar a licença-maternidade de sua companheira. O jovem relatou que esteve na manhã de hoje no local, mas os servidores informaram a ele que não haveria atendimento por falta de segurança.

“Eles (servidores) fecharam os portões por volta de seis e meia. Disseram que não iam atender por falta de segurança. Muitas pessoas saíram daqui (se referindo a UBS) revoltadas. Semana passada minha esposa esteve aqui procurando atendimento, mas não foi atendida”.

A reportagem tentou contato com a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde, mas até o fechamento desta matéria não havia retornado as ligações.

Fonte: www.defato.com


quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Genivan pede solução para o desabastecimento nas UPAs

Por meio de requerimento, o vereador Genivan Vale (PDT) solicitou da Secretaria Municipal de Saúde informações sobre o porquê do desabastecimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do município. O parlamentar também questiona a previsão de quando este problema será solucionado. 

De acordo com informações repassadas por servidores, na UPA do Alto de São Manoel, está faltando medicamentos e material de expediente, como papel higiênico e copo descartável. “Também há relatos de falta de alimentação para os funcionários”, acrescenta o edil. Ele acrescenta que problema semelhante é enfrentado na UPA do Belo Horizonte. 


Genivan Vale cobra sensibilidade da gestão municipal para resolver esta situação o quanto antes. “É preciso oferecer condições para que os profissionais das UPAs possam trabalhar. É inadmissível que trabalhadores tenham que passar por este tipo de dificuldade, onde faltam até copos para beber água”, frisa.

Fonte: Assessoria

Fim melancólico

O prefeito Silveira Júnior (PSD) caminha para um fim melancólico, politicamente falando. Tentou a reeleição, mesmo sabendo que o cenário não lhe era favorável e acabou desistindo. Falsas promessas, palavra perdida... Tudo levou Silveira à derrocada. Nem Santa Luzia escapou da sanha silveirista. Quem não se lembra dos dois lançamentos de pedra fundamental na Serra Mossoró? Tal projeto deixou a Diocese mossoroense em situação delicada... Mas são águas passadas. Urnas abertas, veio a lógica: Rosalba Ciarlini foi eleita prefeita pela quarta vez e vai administrar uma cidade caótica.

Serviços básicos estão quase inexistindo. Bom, isso sem levar em consideração a limpeza, pois o prefeito autorizou aditivo superior a R$ 2 milhões à empresa que cuida do setor. Além disso, fechou contrato superior a R$ 4 milhões à contratação de mão-de-obra terceirizada... E vem a perguntinha: onde está a crise? Será que falta dinheiro apenas para pagar aos servidores? E prestadores de serviços?

Silveira caloteou meio mundo de gente... Deixa um legado de incerteza. E tudo vai acabar caindo sobre Rosalba, já que a dívida é da Prefeitura de Mossoró. Mais dia, menos dia, cobranças judiciais e processos devem começar a aportar pelo Palácio da Resistência. E não apenas isso: a quebra de compromissos vai melar quem acreditou em alguma proposta da gestão que finda. Agências de publicidade, blogs, rádios... Todos vão penar, inclusive juridicamente.

Foi-se o tempo em que se defendia pessoas e projetos políticos à base do palavreado baixo. Os tempos são outros. Isso não vinga mais. Faz parte do passado...

Se Silveira perdeu e Rosalba ganhou, quem mais lucrou foi Tião Couto (PSDB): um desconhecido, politicamente falando, se projeta para o futuro e, se souber fazer bom trabalho, tem tudo para ocupar uma lacuna que existe em Mossoró e região. Já se fala que ele poderá entrar na disputa em 2018. Mas ainda é cedo especular. E se realmente for esse o interesse, tem mesmo que começar desde já. Afinal, uma campanha termina para outra ser iniciada.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Corrida pelos indecisos

Com a saída do prefeito Silveira Júnior (PSD) da disputa pela Prefeitura de Mossoró, os holofotes do cenário político se voltam para os candidatos Tião Couto (PSDB) e Rosalba Ciarlini (PP). Não que os outros dois postulantes, Gutemberg Dias e Josué Moreira, não estejam no embate. É que o jogo, ao que se desenhou no início da campanha, será entre Tião e Rosalba. O que melhor se apresentar ao eleitor...

Na reta final da campanha, pouco pode ser dito ou acrescentado. A cidade voltou a se dividir. E Silveira Júnior percebeu que não tinha chances de entrar definitivamente na disputa. Ele, se continuasse como candidato, teria papel secundário.

Não tem como mensurar como cada candidato está. Nenhuma pesquisa foi divulgada e, por isso, não se sabe em qual patamar, em termos de aceitação popular, pode ser atribuído à Rosalba, Tião, Gutemberg ou Josué. Com isso, todos seguem com o mesmo objetivo.

Agora é esperar para ver qual deles será eleito. Qual deles vai comandar a cidade por quatro anos. E o resultado está bem pertinho. Falta apenas mais uma semana. De domingo que vem a oito dias já será a eleição. Então, pouca coisa vai ser alterada com a saída de Silveira da disputa. Até porque a grande maioria do eleitorado já definiu em quem vai votar. Obviamente que existem indecisos e os que votariam em Silveira. E correr atrás desses votos é o que todos já começaram a fazer.

Um final de quem se deixa conduzir

O blog tem evitado ocupar espaços nas redes sociais neste período. Pouco surge de novidade e nem sempre é salutar escrever mais do mesmo. Fica parecendo pirraça. Coisa de menino buchudo, como se diz pelo interior. Mas, diante da falta de novidade, vamos lá escrever mais do mesmo. Parece até disputa majoritária de cidade pequena, onde candidatos à reeleição se apresentam como soluções de algo criado por eles próprios e ainda falam em continuidade nas mudanças. Só se for pra arruinar de vez o município. E olhe que pelas bandas da região Oeste é a praga que mais tem.

Mas vamos ficar por Mossoró mesmo: o prefeito Silveira Júnior (PSD) desistiu da candidatura. Nada de novidade, até porque todo mundo já sabe. Mas o que não se sabe ainda são os reais motivos da desistência. Em vídeos que circulam pelas redes sociais, o prefeito falou que resolveu abrir mão da disputa para evitar que a Prefeitura viesse a ser comandada pela coligação que ele chama de "acordão", em alusão à ex-governadora e ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Que sua candidatura só iria beneficiar Rosalba.

E é aí que a coisa não bate. Como é que um candidato deixa de lado seu projeto político para evitar que outro postulante seja vitorioso? Ao que o blog entende, candidatura se combate com candidatura. Projeto se combate com projeto. Política, do mesmo modo. Vai ver o que o titular deste espaço aprendeu, ou pensa ter aprendido, não foi lá essas coisas. Vai ver que um político que se candidata e, ao final do processo eleitoral, percebe que seu adversário vai ganhar, simplesmente sai de cena... Vai ver que seja o certo a se fazer e que não será mais preciso, sequer, haver mais candidatos.... Essa não dá para entender. Nem aqui nem na China.

De que adiantou ter o maior leque de apoio partidário e mais cerca de 200 candidatos a vereador? De que valeu tudo isso? Absolutamente nada.

Silveira pensou que conseguiria manter os 68 mil votos que obteve na eleição suplementar realizada em maio de 2014. Aquele cenário era outro. A cidade tinha saído de uma eleição anterior e esperava o fim de um problema que afetou todos, de maneira geral. E mesmo assim, naquele período Silveira teve o respaldo de lideranças que foram escanteadas por ele posteriormente. Cite-se a ex-prefeita Fafá Rosado e o ex-deputado estadual Leonardo Nogueira.,

Com a vitória nas urnas, Silveira tomou gosto e mal saiu de uma eleição e se meteu em outra: se candidatou à presidência da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn). Saiu dessa e encabeçou outra, indiretamente, ao apoiar maciçamente (diga-se de passagem que foi bem depois do processo ser iniciado) a postulação do então vice-governador Robinson Faria ao Governo do Estado.

Uma distância de tempo muito curta entre uma eleição e outra. E, nesse pouco espaço, mal teve como se dedicar à administração. E seu pecado começou justamente aí. Ele deixou que decisões fossem tomadas por terceiros. A imagem que se tinha do prefeito interino caiu por terra e o que se viu resultou na mensagem que ele apresentou na noite da segunda-feira que passou, quando anunciou que não era mais candidato à reeleição.

Silveira pecou, e feio, na comunicação. Deixou-se ser isolado. A tática de focalizar alguma coisa, a qual ninguém ainda sabe qual foi, não surtiu efeito. Promessas foram apresentadas e nenhuma se concretizaram: Santuário de Santa Luzia, camelódromo...

Obviamente que quem está no cargo e pleiteia a reeleição tem a obrigação de se projetar. Mas isso não aconteceu. A projeção proporcionada por sua Comunicação foi o inverso. Algo que veio a ser ajustado recentemente, com a ida da jornalista Luziária Machado para a Secretaria Municipal de Comunicação Social. Mas o estrago já estava feito. E grande demais para ser consertado.

O certo é que Silveira tinha tudo para ser a nova liderança política da segunda maior cidade do Rio Grande do Norte. Mas não soube aproveitar a oportunidade. Preferiu se deixar ser conduzido a conduzir algum projeto. E o que se viu foi uma série de desencontros e desatinos administrativos: kit de limpeza para as mães, timbre da Prefeitura em caixões para pessoas de baixa renda, além de outras ações que foram negativas e contribuíram, consideravelmente, para o fim melancólico de um projeto político que tinha tudo para dar certo.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O preço

O choro da primeira-dama mossoroense Amélia Ciarlini, ao anunciar sua desfiliação ao PSD e afirmar que queria uma audiência com o governador Robinson Faria (presidente estadual do PSD), além de lembrar que a vitória de Robinson ao Governo do Estado teve apoio incondicional do prefeito Silveira Júnior (PSD), acabou expondo a fragilidade da candidatura do marido à reeleição.

É que Amélia se queixou do abandono político dispensado pelo governador ao prefeito. Para quem acompanha o desenrolar da campanha em Mossoró, o vídeo está sendo visto como "reconhecimento" da derrota. O blog não vê dessa forma. E trata o tema apenas como normal e dentro da realidade política da cidade. Era de se esperar que, mais dia ou menos dia, fato como esse acontecesse.

Silveira praticamente procurou o isolamento. Não se governa sozinho. E nem sozinho se caminha. O erro maior talvez nem seja do prefeito. A primeira-dama se queixou da falta de conhecimento das pessoas sobre as "obras" do marido. Ora, como as pessoas vão tomar conhecimento de algo que não é publicizado?

O Governo Federal, quando quer propagar alguma obra, compra espaço na mídia para informar o que está sendo feito E Silveira queria o que? Que rádios e jornais dissessem que ele estava fazendo alguma coisa, assim do nada? Empresas de comunicação são empresas privadas e precisam, obviamente, de lucro. Se a Prefeitura tinha o que mostrar, que comprasse espaço e divulgasse. Pelo visto, percebeu-se que a tática adotada não surtiu efeito. Reparos disso e daquilo não é obra. Isso se chama manutenção do que existe. E, convenhamos, não se deve louvar isso. Nada mais é do que obrigação.

O mesmo vem sendo dito, em outras palavras, na propaganda gratuita na televisão. Diz-se que "Francisco" investiu no corredor cultural e alude-se que colocação de lâmpadas led ou melhoria na iluminação do Memorial da Resistência teria sido uma das cinco "obras". Poupe-me" Isso não é obra, Nem aqui e nem na China. E cadê que se fala na melhoria do Corredor Cultural propriamente dita? Até agora nadica de nada. As cerâmicas continuam se desprendendo no Teatro Municipal Lauro Monte Filho...

Mas voltemos ao tal vídeo: a primeira-dama deixou claro que seu "rompimento" ou desfiliação do PSD seria por conta do "abandono" de Robinson a Mossoró. É que Robinson Faria ainda não deu "com as caras" por estas bandas. Teme ser atingido pelo percentual negativo que ronda a administração municipal. O governador deve ter seus motivos. O blog não vai entrar nesse mérito. Cabe ao governador dizer da sua ausência e se justificar.

Como o blog disse mais acima: Silveira colhe o que plantou. Sua comunicação foi totalmente centrada com o único objetivo de evitar que ele se comunicasse. Coisa que não existe em canto algum. Assessoria de imprensa é pra facilitar o entrosamento do assessorado com a imprensa. Algo que não se viu. O ensinamento que fica é que o próximo prefeito ou prefeita não recorra à mesma tática, pois esta não vinga. É altamente danosa. O resultado está aí: Silveira hoje não está na disputa pela Prefeitura. No máximo, luta para ficar na terceira colocação.

sábado, 20 de agosto de 2016

O blog bugou com o retorno de Rodolfo Fernandes

Quando se faz leitura de imagens, frases e se projeta algo em algum marketing, é preciso pensar nos efeitos que tal criação pode gerar. E, olhando o que o candidato Francisco (?) pôs nas ruas, fica a questão: como é que Mossoró vai avançar se o marketing deixa entender que a cidade deve voltar no tempo, especificamente em 1927? Outra coisa que não se encaixa, no refletir de "tico e teco" do blog, é o "abrir mão" de um nome conhecido. Por quais motivos Francisco (?) quer deixar de lado 'Silveira Júnior"? Não seria mais ele chamado Francisco José da Silveira Júnior? A quem o eleitor ou cidadão deve se referir? A Francisco, cujo nome surge a cada eleição para passar a imagem de fé e pegar carona no Papa Francisco e na humildade de São Francisco de Assis ou a alguém que diz ter experiência de 16 anos como vereador e que ficou conhecido pelo sobrenome?

Outra coisa que o blog refletiu foi o uso da expressão "Sempre resistir. Recuar, Jamais". Frase que consta do espetáculo "Chuva de Bala no País de Mossoró" e é atribuída ao prefeito de 1927, Rodolfo Fernandes. O marketing estaria tentando fazer alusão acerca do retorno de Rodolfo Fernandes? Se essa for a ideia, estaríamos inseridos em um contexto inimaginável, materialmente falando. No máximo que se pode vislumbrar seria a possibilidade do candidato Francisco ser a reencarnação do prefeito de 1927. E estaria aí em uma miscelânea religiosa que confunde tudo, pois uniria espiritismo e o evangelicismo, pois o candidato a vice-prefeito é evangélico.

Passar essa imagem ao eleitor, ao ver do blog, seria complicado. Principalmente na questão do avançar para retornar ao passado. Mas pode ser que a base do marketing seja a que a ciência nos apresenta: volta-se ao passado, analisa-se o presente e projeta-se o futuro. Mas e a tal frase? E a história da reencarnação? E, como já foi dito, o cidadão que não tem acesso às leituras, ficaria com a cachola em parafuso diante de tanta informação em única peça política.

Mas vai ver que a leitura que o blog faz não tem ligação com coisa alguma. Vai ver que o marketing do candidato Francisco está correto e que realmente é possível imaginar o retorno de Rodolfo Fernandes para impedir que alguém invada a cidade e peça 400 contos de réis para não provocar morte de muitos. Vai ver que é possível unir fé e política ou que será possível voltar ao passado e esquecer o presente, aliando um retorno ao futuro.

O titular deste espaço ficou bugado com essa história. Melhor assistir ao filme "De volta para o futuro" para tentar compreender o sentido de algo com alguma coisa.